Arquivo de Abril, 2008

13
Abr
08

o pior fim de semana de sempre

Já se sabe que a vida está cheia de ironias, mas a novidade reside, precisamente, em saber qual a ironia que se segue. Ora, desta vez, o revés das obras.

Pois até que já voltei para casa e estava feliz com o rumo tomado pelas coisas, com a reorganização e o regresso. Pois que até já estava em descompressão, perante a esperança de finalmente me ver livre disto tudo muito muito em breve. Ontem! E eis senão quando tudo leva outra volta e fica de pernas para o ar, nem que seja só para provar, ostensivamente, que não se pode confiar em nada.

Fui para o Porto na 5.ª, com planos de regressar no domingo. Por uma feliz coincidência, acabamos por regressar (eu e a cara-metade) na sexta à noite, apenas para deparar com uma inundação. Perguntam vocÊs: mas eu não troquei os canos? Não é essa uma das coisas básicas a fazer numa renovação?

Pois troquei. É claro que troquei. Por canos de inox, supostamente inafundáveis, como o titanic. E como ele e as minhas expectativas – furados. Rebentou uma junção entre 2 canos. Sim, canos de inox com 15 dias de existência. O que não apela muito à minha confiança no resto dos seus congéneres e do trabalho que aqui foi feito.

Ora, depois de umas horas a tentar aguentar o barco e a limpar, tentando não me irritar demasiado – o improvável acontece. Fazemos cair a velha sanita que antes estava na minha casa de banho. Eis senão quando nos apercebemos, estupefactos, que esta estava cheia – tinha sido utilizada para a sua função natural, sabe-se lá por quantos dos trabalhadores que andavam lá em casa, já desligada da canalização. Podem imaginar o cheiro, o desespero, a raiva… Que tipo de pessoas, no seu perfeito juizo, utilizam uma sanita desligada? Ainda mais, quando há 2 sanitas novinhas e em perfeitas condições de funcionamento? Que tipo de porcos deixam uma coisa destas semanas em casa de uma pessoa, sem qualquer aviso?

Resultado, limpar a urina alheia até às 5 da manhã, por entre lágrimas de raiva. Ah sim, e depois voltar a ligar à água para tomar o tão necessário duche, sabendo que estávamos a inundar novamente a marquise enquanto o fazíamos.

E o mais bonito de tudo isto é que ninguém é capaz de assumir as responsabilidades. No dia seguinte o picheleiro foi reparar os estragos e ainda tem a coragem de se passar pelo maior inocente, dizer-me na cara que a conta da água nem vai ser assim tão alta (pague-a ele, se não lhe faz diferença) e culpar o material – sim, o material que ele mesmo comprou – como se tal o ilibasse da responsabilidade.

Acho que nunca quis tanto bater numa pessoa.

E amanhã já é segunda e estou ainda mais cansada que na sexta.

Se puder evitá-lo não me voltam a apanhar em obras. E neste momento só quero ver-me livre deste bando de irresponsáveis.

02
Abr
08

Abril

Abril é sempre um mês complicado para mim. Porque faço anos em Abril, claro. Abril é o mês negro. Mesmo se o namorado (que durante quase 2 meses vai ser 5 anos mais novo do que eu, o que ainda me parece levemente obsceno… nem posso esperar pelo dia de anos dele em que voltamos aos já costumados 4 anos) me diz continuamente que fazer anos é bom e me dá mil razões válidas e bonitas para isso… custa.

mas este ano, sobrepõe-se à névoa aniversarial o regresso a casa. A uma casa ainda semi-concluída e em pantanas, mas renovada. Estreei hoje o meu forno. Tenho pela primeira vez um forno que realmente funciona e já me artilhei de formas de bolo e pratos de forno para fazer uso dele. Tenho uma casa cheia de coisas novas para estrear. E também cheia de caos. É uma fonte constante de preocupação e trabalho, quer para ir pondo as coisas no sítio, quer porque ha sempre coisas que correm mal, e a lei de murphy é inescapável. E neste caso foi correndo muita coisa mal. E eu tive que estar (e tenho, ainda) sempre em cima dos homens para ver se a coisa não descambava mais. Continuo com um fogão que faz uma chama olímpica, com um tecto falso novo com infiltrações, com grades em falta, etc. E tudo isso tem dado muito que pensar e que fazer. Mas o que importa é que agora estou de volta. E isso soa a novo e a recomeço… e essas são palavras que soam como a mais bela música aos meus ouvidos.




Poeira e letras

Ora, o que eu pretendo, com esta edição renovada do poeira e letras, é continuar a partilhar as minhas reflexões e histórias do quotidiano, descobertas de músicas, sites com interesse ou simplesmente piada e recursos que podem interessar a quem, como eu, anda dedicado à educação. Neste espaço coexistem o pessoal e o público em doses q.b.
Abril 2008
S T Q Q S S D
« Mar   Maio »
 123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
282930  

Estatísticas do Blog

  • 188,068 entradas

Comentários Recentes

silvio paulo barcelo… em Músicas antigas
Elizelton em olha 1001!
Lula em Músicas antigas
Kat em Músicas antigas
Kat em Músicas antigas
Roberto em Músicas antigas
Izabel Gonçalves em Músicas antigas
ROMUALDO ROMANOVSKI… em Músicas antigas
rita neves em Músicas antigas
Izabel Kristina em Músicas antigas

Páginas